• R Manoel Andrade, 2714, Coroa do Meio, Aracaju
  • contato@imunizadorasergipana.com.br
  • 79 3043 8800



DENGUE:

DENGUE


Transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, a dengue é uma doença viral que se espalha rapidamente no mundo. Nos últimos 50 anos, a incidência aumentou 30 vezes, com ampliação da expansão geográfica para novos países e, na presente década, para pequenas cidades e áreas rurais. É estimado que 50 milhões de infecções por dengue ocorram anualmente e que aproximadamente 2,5 bilhões de pessoas morem em países onde a dengue é endêmica.

Na região das Américas, a doença tem se disseminado com surtos cíclicos ocorrendo a cada 3/5 anos. No Brasil, a transmissão vem ocorrendo de forma continuada desde 1986, intercalando-se com a ocorrência de epidemias, geralmente associadas com a introdução de novos sorotipos em áreas anteriormente indenes ou alteração do sorotipo predominante. O maior surto no Brasil ocorreu em 2013, com aproximadamente 2 milhões de casos notificados. Atualmente, circulam no país os quatro sorotipos da doença.

TRATAMENTO:
Baseia-se principalmente em hidratação adequada, levando em consideração o estadiamento da doença (Grupo A, B, C e D), segundo os sinais e sintomas apresentados pelo paciente, para decidir condutas, bem como o reconhecimento precoce dos sinais de alarme. É importante reconhecer precocemente os sinais de extravasamento plasmático para correção rápida com infusão de fluidos. Quanto ao tipo de unidade de saúde para o atendimento dos pacientes de dengue, deve-se levar em consideração o estadiamento da doença, seguindo as indicações a seguir:

Grupo A- são os pacientes com as seguintes características:

Caso suspeito de dengue (nos lactentes, alguma irritabilidade e choro persistente podem ser a expressão de sintomas como cefaleia e algias) com:
- prova do laço negativo e ausência de manifestações hemorrágicas espontâneas;
- ausência de sinais de alarme;
- sem comorbidades, grupo de risco ou condições clínicas especiais.
- Estes pacientes devem ter acompanhamento ambulatorial.

 
Grupo B- são os pacientes com as seguintes características:

Caso suspeito de dengue com:
- sangramento de pele espontâneo (petéquias) ou induzido (prova do laço +),
- ausência de sinais de alarme,
- Condições clínicas especiais e/ou de risco social ou comorbidades: lactentes (menores de 2 anos), gestantes, adultos com idade acima de 65 anos, com hipertensão arterial ou outras doenças cardiovasculares graves, diabetes mellitus, DPOC, doenças hematológicas crônicas (principalmente anemia falciforme e púrpuras), doença renal crônica, doença ácido péptica, hepatopatias e doenças autoimunes.
- Estes pacientes devem ter acompanhamento em unidade de saúde com leitos de observação.

 
Grupo C- são os pacientes que apresentam as seguintes características:

- Caso suspeito de dengue com presença de algum sinal de alarme e manifestações hemorrágicas presentes ou ausentes.
- Estes pacientes devem ter acompanhamento em unidade hospitalar.

ATENÇÃO: Esses pacientes devem ser atendidos, inicialmente, em qualquer serviço de saúde independente de nível de complexidade, sendo obrigatória a hidratação venosa rápida, inclusive durante eventual transferência para uma unidade de referência.Se houver resposta inadequada após as três fases de expansão, deve-se conduzir como Grupo D.

 

Grupo D- são os pacientes que apresentam as seguintes características:

Caso suspeito de dengue com:
- presença de sinais de choque, desconforto respiratório ou disfunção grave de órgãos.
- manifestações hemorrágicas presentes ou ausentes.
- Estes pacientes devem ter acompanhamento preferencialmente em unidade com Terapia Intensiva.


ATENÇÃO: Deve-se manter avaliação clínica contínua de todos os pacientes hospitalizados, registrando sinais vitais, diurese, controle hídrico, assim como os SINAIS DE ALARME. Essa classificação determina as decisões clínicas, de laboratório, de hospitalização e terapêutica, pois o paciente pode, durante a evolução da doença, passar de um grupo a outro, em curto período de tempo.